CCVB
 
Escolha o Idioma
 
LOGIN ÁREA RESTRITA
 
 
 
 

O italiano que ajudou a escrever a história da arquitetura sacra de Curitiba

« Voltar

 

Por onde passavam os italianos em Curitiba, uma igreja ia sendo levantada. Várias delas saíram dos desenhos do engenheiro João De Mio, um italiano consagrado na construção de templos e campanários, e que colaborou no estabelecimento tanto da comunidade italiana quanto da Igreja Católica na capital.

Filho mais velho de um casal de imigrantes do Vêneto, De Mio largou a escola aos 13 anos para ajudar o pai no sustento da família, e logo se tornou construtor, mas sem abandonar por completo o estudo: autodidata, lia clássicos da literatura mundial, e tinha fascínio pela cultura greco-romana.

Interior da igreja das Mercês foi o primeiro projeto de De Mio.

Interior da igreja das Mercês foi o primeiro projeto de De Mio.

A busca por aperfeiçoar o próprio trabalho o aproximou da arquitetura, “talvez mais nobre profissão que existe”, como descreveu em relato da própria vida. Viveu em uma época de rápido crescimento populacional da capital, e intensa atividade dos italianos na colônia. “Grande parte dos imigrantes era católica, e disso surgiu grande demanda por paróquias para atendimento dos vigários, o que fez com que ele fosse requisitado para esta área”, descreve o professor de história contemporânea da PUCPR, Wilson Maske.

Teto da Igreja Nossa Senhora Aparecida, no Seminário.

Teto da Igreja Nossa Senhora Aparecida, no Seminário.

Inspirado por grandes nomes da arquitetura renascentista, como AndreaPalladio, De Mio adotou estilo neoclássico em suas produções. Basta ver a parte interna da Igreja de Nossa Senhora das Mercês, construída em 1928, onde usou os tradicionais arcos e a intervenção de imagens sacras pintadas por Paul Kohl e Pedro Brutkoski, com quem trabalhou por longos anos.

No Umbará, De Mio foi chamado para projetar e supervisionar a construção da Paróquia São Pedro, mas o desentendimento com o padre na hora do acerto financeiro, que queria cobrar um valor muito alto pelas refeições durante o período da obra, fez com que De Mio fosse dispensado antes da finalização da construção.

Igreja de São Pedro, no Umbará, é um dos maiores projetos do construtor.

Igreja de São Pedro, no Umbará, é um dos maiores projetos do construtor.

Apesar disso, o dinheiro nunca foi o foco de De Mio, como conta o neto Amadeu Geara, responsável por registrar e publicar as memórias do nonno. “Era caridoso com as comunidades que não podiam bancar. Ele não enriqueceu com os trabalhos, mas não deixou de criar a família com conforto e mesa farta.”

O desprendimento era sempre justificado por algum motivo nobre, como quando projetou uma igreja no bairro Seminário sem cobrar, porque a esposa, Catharina Razzolini, era devota de Nossa Senhora Aparecida, a quem era dedicado o templo. Em uma carta enviada ao senador FlávioGuimarães nos anos 1950, o engenheiro registrou seu posicionamento em relação ao próprio trabalho: “Fiz da minha profissão um apostolado, e com muito ou pouco resultado, trabalhando nela estou no meu elemento, e encontro nela a razão do meu viver”.

Altar da Igreja Nossa Senhora das Mercês, primeiro projeto de De Mio.

Altar e teto da Igreja Nossa Senhora das Mercês, primeiro projeto de De Mio.

Suas obras se espalharam por onde havia mais comunidades italianas. Um falava para o outro e lá ia o construtor para Campo Largo, Balsa Nova, Santo Antônio da Platina. Também se embrenhou no projeto de colégios, como o Sagrado Coração de Jesus e o Santa Terezinha, seguindo sempre a linha neoclássica.

Capela do Colégio Santa Terezinha.

Capela do Colégio Santa Terezinha.

“Os projetos ficaram marcados pelos arcos plenos nas janelas, frontõestriangulares nas fachadas e pelas proporções matematicamente rigorosas. Também ficou conhecido pela construção de campanários independentes da estrutura da capela” explica a arquiteta Aline Bandil, especialista em restauração de igrejas.

Na lista de obras também estão a reforma da fachada da SociedadeGaribaldi, a construção do Círculo de Estudos Bandeirantes e do ateliê de João Turin. De Mio morreu aos 92 anos, em 1971. Ao fim da vida, seguiu escrevendo as memórias, orgulhoso de viver na terra de onde nunca quis sair, deixando um importante legado na construção da cidade.

Interior da capela do Colégio Santa Terezinha, a última obra em que De Mio atuou.

Interior da capela do Colégio Santa Terezinha, a última obra em que De Mio atuou.

 


Fonte Gazeta do Povo - Haus

 


 
 
SOBRE CCVB   CURTA CURITIBA E REGIÃO   ASSOCIADOS   EVENTOS
Sobre o CCVB
O que são os CVBx
Equipe Executiva
Programas e Serviços do CCVB
Estrutura
Trabalhe com Turismo e Eventos
 
Curta Curitiba e Região
Sugestão de Roteiros
Guia Prático
Aplicativos
Programa Curta Curitiba
Atrativos Curitiba e Região
Sou Curitiba
 
Conheça os Associados
Sobre os Associados
Programa CCVB só pra Você
Campanha Eu apoio Room Tax/Doação para o Turismo
PIC - Programa de Incentivo à Capacitação
Seja um Associado
Promoções e descontos
 
Realize seu evento em Curitiba e Região
Nosso apoio para seu evento
Locais para o seu evento
Prestadores de serviços
Curta Curitiba mais 2 Dias
Agenda de eventos
Cadastre seu evento
Relatórios
             


Alameda Julia da Costa, 64 - 3º andar - Alto São Francisco - CEP: 80.410-070 - Curitiba-PR / Brasil

Tel/Fax: 55 41 3233-8500 | Fale conosco: 41 9 9916-1411(WhatsApp) | curitibacvb@curitibacvb.com.br